Wednesday, April 12, 2017

Movie Review: The Love Witch (2016)


Olá meus little swans! Como prometido, hoje trago a resenha do filme "The Love Witch", história original e dirigida pela cineasta indie Anna Biller. Lembrando que é um filme B de baixo orçamento que não tem nome em português oficial, "The Love Witch" resgata a estética do horror trash dos anos 60 e 70. O filme narra a história de Elaine (Samantha Robinson), uma jovem bruxa recém-enviuvada que se muda para uma pequena cidade do interior da Califórnia, Arcata, em busca de um recomeço e um novo amor digno de conto de fadas. Porém, Elaine é perversa e muito idealista, o que a leva a se enjoar facilmente dos seus parceiros e sempre os enfeitiça no final. Os moradores da cidade estranham os acontecimentos recentes, dando início à uma caça às bruxas. 
Hi my little swans! As promised, today I'm bringing you guys the review for "The Love Witch" movie, Anna Biller's original story and directed by herself. A low-priced B movie, "The Love Witch" pays tribute to 60's and 70's trash horror aesthetic. The movie narrates the story of Elaine (Samantha Robinson), a recently widowed young witch who moves to a small town in California, Arcata, to find a new, fairytale-worthy love and restart her life. Although, Elaine is perverse and idealistic, which takes her to get rid of her partners and always end up putting a spell on them. The fellow citizens notice magic in the air, starting a witch hunt. 

PRODUÇÃO / PRODUCTION:

Samantha Robinson as Elaine

Mesmo sendo um filme independente e barato se comparado à produções blockbuster, ele não erra em se passar por um longa da década de 60. A fotografia, paleta de cores, figurino, maquiagem e produção de arte são visivelmente calculados para reproduzir um filme retrô com perfeição. Biller não ficou responsável apenas pela direção e roteiro e cuidou também do figurino, cenário e produção. No entanto, dois momentos quebram brevemente a maravilhosa estética do filme: carros modernos demais e um iPhone em um dos cenários mais bonitos daquele universo, o café vitoriano. São relevantes, mas o telespectador poderia ter ficado sem estas, mesmo que a história não seja exatamente datada no passado. Na minha opinião, as cenas que mais se parecem autenticamente mid-century se passam na loja esotérica e delegacia.
Even though it's an indie and low-cost movie compared to blockbuster productions, it doesn't make mistakes while making it look exactly like a 1960's technicolor screen. Photography, color palette, costumes, makeup and art production are perfectly made to reproduce a retro movie with such perfection. Biller wasn't only responsible for directing and script, but costume & scenery design and production as well. Although, two moments break the beautiful aesthetic: too much modern-day cars and an iPhone at one of the most beautiful sceneries inside that universe: the victorian cafe. They're irrelevant details, but I think that iPhones were unnecessary, even though the plot is not set in the past. In my opinion, the scenes that look most vintage are set in the magick shop and police department. 

ATUAÇÃO / ACTING:

Laura Waddell as Trish & Samantha Robinson

Nenhum ator deixa a desejar, mas se você não tem costume de assistir filmes dos anos 60, muita calma nessa hora, pois Robinson é "estilizada" para imitar o ideal de atuação da época e do gênero - coisa que fez muito bem. Ela está longe de ser uma Catherine Deneuve, muito menos Audrey Hepburn, mas é adequadíssima para um filme de horror trash.
There is no bad actor, but if you're not used to watch 60's movies, be patient since Robinson was supposed to impersonate the ideal acting from that time and genre - and she did it very well. She's not a Catherine Deneuve, nor Audrey Hepburn, but fits really well in a trash horror movie.

FEMINISMO / FEMINISM:


Feminista assumida, Biller leva a temática para suas obras e Elaine fica entre uma feminista e uma mulher presa na antiga ideia de que precisa de um amor para ser feliz. É muito interessante como Biller trabalha a ideia de uma mulher tão segura de sua sexualidade e religião, porém tão ingênua. Também é curioso como Trish, a amiga de Elaine que é casada, tem uma noção muito melhor e correta do que é o patriarcado e os problemas da sociedade quanto à idealização de um amor romântico. 
A self-proclaimed feminist, Biller brings this discussion to her works and Elaine is something in between of a feminist and a woman stuck by that old, romantic idea that she needs a man to be happy. It's really interesting how Biller works on this whole idea of a woman who is so confident about her sexuality and religion, but so naive. It's also curious how Trish, Elaine's married friend, has a so much better and accurate thought on patriarchy and the problems of a perfectly romantic relationship. 

RELIGIÃO E BRUXARIA / RELIGION AND WITCHCRAFT:


Um dos meus medos quanto à esse filme foi a representação da bruxaria, mas Biller fez muito bem e deixou claro que estudou bastante sobre religiões pagãs. Não é uma representação 100% verídica e perfeita (já que existe um pouco de fantasia, como era de se esperar), mas várias religiões relacionadas à bruxaria são mencionadas e diferenciadas ao longo do filme. Como wiccana, gostei de ver a wicca sendo mencionada. Não é revelado ao certo qual a "vertente" de Elaine, mas o filme mostra mais sobre satanismo e magia negra.
One of my concerns on this movie was how witchcraft was going to be represented, but Biller did an amazing job and made it clear that she researched a lot about pagan religions. It's not a 100% accurate representation (since there's a little bit of fantasy, as you should expect), but many witchcraft-related religions were mentioned and differentiated during the movie. As a Wiccan myself, I liked seeing wicca being mentioned. It is not mentioned Elaine's exact belief, but most of the movie shows about satanism and black magic. 

BUMP'N GRIND:

April Showers

Minha coisa favorita do filme é: tem burlesque! É só um detalhe pequeno e charmoso do longa, mas a lindíssima April Showers, showgirl de Los Angeles, aparece dando uma "palinha" belíssima na casa burlesca fictícia de Arcata, que é um cenário frequente.
My favorite thing about this movie: burlesque! It's a small and charming thing about it, but the beautiful April Showers from Los Angeles appears to tease us in the beautiful fictional burlesque house of Arcata, which is a frequent location.

VEREDITO FINAL / FINAL VERDICT:

Elle Evans & Fair Micaela Griffin as Gemini Twins
Não, elas não são gêmeas de verdade (!) / No, they're not real twins (!)

É de cair o queixo o que Biller é capaz de fazer sem ter o apoio e orçamento Hollywoodiano. Eu gostei muito mesmo do filme, achei muito bem explorado o tema da bruxaria, feminismo e idealização do amor, e como já mencionado quinhentas vezes, a estética é de encher os olhos. Porém, tenho minha ressalva: eu entendo que segue a linha dos roteiros dos anos 60 e 70 e na época eles costumavam acabar bem vagos, mas o final poderia ser bem melhor. Não vou entrar em detalhes, é claro, só achei que ficou bem vazio. Me tornei fã de Biller após "The Love Witch", recomendo a qualquer fã de filmes indie e vou procurar por "Viva", filme de 2007 protagonizado pela própria e, acreditem, visual muito parecido com o de Elaine, já que ela mesma tem a sombra azul como sua marca registrada:
It's jaw-dropping when you realize how much Biller is capable of without the Hollywoodian support and budget. I really enjoyed the movie, I think the witchcraft, feminism and love idealization themes were so well-explored, and as mentioned a million times, the aesthetic is so good. But I have a small complain: I understant that it takes the "60's/70's script" thing to the max, plus the endings used to be very vage, but the ending coulb be so much better. I will not talk about it too much, of course, but I thought that it was so empty. I became a fan of Biller after watching "The Love Witch", I recommend it to any fan of indie productions and I'll be looking for "Viva", a 2007 movie starring Biller herself, and, seriously, a really similar look to Elaine's, since she wears the same blue eyeshadow as her signature look:

Anna Biller, "Viva"


Super acessível curtindo meu tweet! / 
She liked my tweet!

Isso é tudo pessoal, espero que tenham curtido a resenha e assistam "The Love Witch"! Até a próxima! Beijos!
That's all folks, I hope you liked this review and will take a look on "The Love Witch"! See you next time! XO!

6 comments:

  1. Adorei a resenha adoro filmes independentes me parece que eles se empenham mais em criar a historia e tal.
    Uma bela indicação vou deixar com certeza na minha lista.
    Beijos
    https://cherrycriis.blogspot.com.br/

    ReplyDelete
    Replies
    1. É que não são produções feitas pra lucrar, tem muito mais amor e esforço envolvido! Assista sim, com certeza vai curtir <3 abraços!

      Delete
  2. Quero muito ver aindaaaaa!! Vou me programar para ver nas férias - algo me diz que acharei mto engraçado da trilha sonora!
    E claro, tendo bruxas (de verdade ou fantasia) SEEEEEEMPRE me atraem, vide ultimos animes que vi: Flying WItch e Little Witch Academia.

    Beijos de glitter!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Tudo fica muito mais legal quando tem bruxas! Vou anotar o nome desses animes!

      Delete
  3. Eu fiquei muito interessada por esse filme desde a vez que tu comentou brevemente sobre ele em outro post, e agora vou procurar pra assisti-lo porque parece realmente muito bom! Apesar de preferir os filmes originais de época, também adoro esses contemporâneos que revivem a estética de outras décadas.
    Beijo, Bruna S. ♥
    Chanel Fake Blog

    ReplyDelete
    Replies
    1. É muito lindo, gosto de ficar imaginando como a produção estudou e montou a estética! Beijinhos!

      Delete