Sunday, November 25, 2018

Desabafo: Estou enjoada da comunidade retrô brasileira



Lamento o título enorme do post, mas não pensei em nada melhor e tão autoexplicativo. Provavelmente vou ser duramente criticada pelas minhas palavras, embora eu realmente não ligue pra isso, principalmente quando estou sendo sincera.

Como já falei aqui algumas vezes, sempre fui uma pessoa versátil que não gosta de se prender à um único estilo e estética. Até aí nenhuma novidade - mas notei uma inquietação ainda maior recentemente, me aventurando até com looks "trevosos". Em 2016 eu transitava sim entre pinup e kawaii, mas fiquei meses sem pisar na arena Harajuku. Eis que recentemente percebi que estou enjoada da cena retrô do Brasil.

Longe de mim desmerecer a comunidade nacional e perpetuar a síndrome de vira-lata, mas fica difícil apoiar quando a maior parte se rende completamente aos clichês e perde o individualismo. As pinups brasileiras, principalmente em época de concurso, estão ficando todas com a mesma cara.  Usam as mesmas estampas, motivos, penteados, acessórios e peças. As lojas são, em boa parte, réplicas umas das outras. Acho triste que ás vezes ficamos atrás de lojas gringas não por falta de talentos no nosso país (isso tem de sobra), mas porque o mesmo vestido vermelho de estampa de bolinhas vende o dobro que uma peça que reproduz vintage com mais exatidão. Não generalizando (até porque sou fã de várias marcas independentes nacionais), porém muitas lojas são gêmeas. Posso contar nos dedos de uma mão quantas lojas não parecem ter replicado os produtos de outras.

Outra coisa que sempre reparei, é que falta muito estudo por parte de uma comunidade que deveria pesquisar sobre história do século XX. Do mito de que é preciso frequentar a cena rockabilly para ser pinup à inúmeros erros de silhueta, todo mundo usa sempre as mesmas referências e tiram fotos nas mesmas poses, nos mesmos modelos de carros. A impressão é de que ninguém tira um momento para estudar, ver filmes e documentários e conhecer a fundo a moda e cultura da época, já que todo dia tem um hoax diferente rodando pelo Facebook. Uma das maiores lendas urbanas que circulam por falta de pesquisa é que "pinups são sensuais sem ser vulgar", "grandes ícones femininos" - ilusão quem acha que uma modelo do tipo era respeitada. O fato é que nas décadas de 40 e 50, eram "tudo puta". Falta de acesso seria uma desculpa aceitável há vinte anos, já que atualmente a informação está por todo o YouTube.

Não estou escrevendo este post para alfinetar ninguém ou mandar você jogar todas as suas peças de bolinhas no lixo, pois eu também não sou ainda a pinup que almejo ser. Procuro melhorar toda vez que monto um look novo, e sei que ainda falta muito chão pra chegar "lá". Estou escrevendo para tentar despertar na comunidade a vontade de estudar mais e melhorar, parar de se encostar em clichês e evoluir tanto visualmente quanto como uma subcultura. Temos total capacidade e talento para nos tornarmos uma das maiores comunidades retrô do mundo.

Links de sites e canais úteis para estudo: 

Tuesday, October 9, 2018

Resenha: Dracurella Headpieces


Hey little swans!
Hoje tem mais uma resenha (atrasadíssima) para vocês de uma compra na Dracurella Headpieces, lojinha pin-up voltada para casquetes e outros acessórios de cabeça que foca na temática horror mas também tem muita coisa para as glamour evangelists, tudo por um preço maravilhoso <3
Pra começar, eu conheço a loja desde que foi lançada, pois sou amiga da Bianca (Dracurella) e era louca há muito tempo pra comprar alguma coisa, só estava esperando o momento em que seria lançado um headpiece que gritasse meu nome. Quando a pillbox pink foi lançada em maio, minha reação IMEDIATA foi quebrar o porquinho e devo ter sido uma das primeiras pessoas que o encomendou! Comprei achando que chegaria à tempo para o FIQ, mas a greve dos caminhoneiros aconteceu e chegou só depois de eu ter retornado de Belo Horizonte #sad

COMPRA, CONTATO & ENVIO:

A compra depende do que você quer. Alguns modelos ainda não estão disponíveis na loja, mas é possível encomendar entrando em contato com a Bianca. Isso também se aplica à casquetes que têm na loja, mas você quer com outra cor. De qualquer maneira, é tudo bem tranquilo, o pagamento é feito pelo PagSeguro, podendo parcelar mas com juros (bem baixos), como em qualquer loja que trabalha com eles. 

Como sou amiga da Bianca, me comuniquei pela DM do Instagram pessoal dela o tempo todo, então acredito que para outros clientes o contato seja feito pela DM do Instagram da loja e o e-mail (dracurellab@gmail.com). Bem tranquilo, e ela é super atenciosa. 

O prazo de confecção é de 5 dias e todas as encomendas são enviadas nas terças, então se você quer alguma peça para uma ocasião em específico, não sejam como a tia Amyh e comprem com antecedência, pois sabemos o quanto os correios do Brasil são uns fofos irresponsáveis ♡ 
Meu pacote foi enviado no dia 23/05 e com o atraso da greve (vou dar um desconto dessa vez, pois era uma situação diferente) chegou no dia 08/06, após 18 dias corridos. 

Os produtos chegam embalados com muito amor em uma caixa toda cheia estampada por carimbos com temática horror e as peças separadas indivudualmente em saquinhos plásticos com etiquetas, embrulhados em um papel para protegê-los, e uma foto da Vampira estilo polaroid com um recadinho que vai como presente pra todos os clientes ♡ Eu não fotografei a caixa porque os correios colaram as etiquetas e selos bem em cima da maioria dos carimbos (honestamente desisto dessa empresa). 

OS PRODUTOS:

Olhem bem para a foto do começo do post e analisem os fatos já citados. Só comprei a pillbox, lembram? Eu caí pra trás. A Bianca me falou que ia me mandar mais um de presente, o que eu não esperava é que a bicha ia me mandar mais outros dois também, hahaha! Eu fiquei hiperventilando, como proceder depois dessa? ♡ Mas vamos por partes, um de cada vez!

. Pillbox Pink:
É uma pillbox para ser usada lateralmente (tem pillboxes que cobrem toda a cabeça), em especial para que as plumas fiquem para o lado "de fora". Tem aplicações em strass formando um floco de neve, revestido em veludo rosa-choque e conta com um pente e uma presilha para ajudar a mantê-lo firme na cabeça. Pillboxes num geral requerem um pouco de prática e paciência. Eu aconselho assegurar colocando grampos no pente para qualquer headpiece desse tipo.
É simplesmente MUITO elegante e fica maravilhoso com looks early-60's bem como na foto que fiz para o Instagram, perfeito para o inverno e ocasiões formais. #RoyalWeddingReady


. Casquete preto com tule: Esse é uma gracinha, super versátil e pode ser usado em diversos looks e ocasiões. Tem um laço com aplicações em strass ao centro e o tule tem estampa de poás ♡ O modelo ainda não está disponível na loja mas pode ser feito sob encomenda. Provavelmente vai ser o que mais vou usar!


. Casquete de borboleta: Parece preto na foto, mas o veludo é um roxo bem escuro. A borboleta é a coisa mais linda e "glitterinada", me lembra aquelas artes feitas com caneta 3D, sabe? Também é bem versátil, mas imagino que fique melhor se usada para eventos. Estou sonhando em usar com meu (futuro) cosplay de Joker ♡
Lembro que tinha esse modelo antigamente no site mas atualmente não, então qualquer coisa entrem em contato porque provavelmente dá pra encomendar também!

. Casquete de aranha: Eu senti um carinho super especial nessa peça, pois a Bianca fez um modelo já clássico da loja e que tem tudo a ver com ela, mas com minhas cores favoritas ♡ Acredito que seja o mesmo veludo da pillbox.
Lá no fundo eu sou uma glamour ghoul também, ainda estou pensando em como vou usar, mas com certeza vai ser trevoso sem deixar de ser Barbie, hahaha! Prontíssimo para este mês de outubro!


Isso é tudo pessoal! Não deixem de acompanhar o Instagram da Dracurella Headpieces para acompanhar as novidades!
Beijinhos!

Friday, August 17, 2018

Porque não precisamos ter um único estilo - e nem devemos


Algumas das perguntas que vejo com mais frequência no meio alternativo são: "gosto de isso que é diferente daquilo, como me encontrar?", "devo reformar todo o meu guarda-roupa?", "posso usar X estilo só esporadicamente?", "não posso usar Y todo dia, tem problema?" (essa questão de não poder usar todo dia já comentei sobre aqui). Não sei como chegamos à isso, mas existe um pensamento muito comum de que devemos pertencer à somente um único estilo, assinar um contrato de exclusividade e gostar de apenas uma única temática, um motivo, uma cor ou gênero musical, quando é completamente comum que seres humanos tenham gostos diversificados. Subculturas, que deveriam ser comunidades que unem as pessoas que se arriscam a desafiar padrões e normas sociais, se transformaram em ringues onde a briga entre egos acontece. Em algum momento da sua vida como alternativo você verá alguém se auto-denominando "mais X" que o outro (normalmente gótico) porque só escuta aquela música e veste tal roupa.

Ninguém precisa deixar de ouvir diva pop porque descobriu que gosta de punk rock. Você não precisa escolher entre estampa de cupcakes ou morcegos. Ninguém pode dizer que você não deve ter um moicano só porque veste lolita. David Bowie não precisou se manter fiel à um único estilo, por que você precisaria? Ele é um ícone que inspirou a cultura alternativa, e ainda assim a mesma contraria tudo o que ele fazia.


Como falei, é uma característica comum da mente humana ter a capacidade de se interessar por assuntos e temas diversos, não é nenhuma crise de personalidade ou bipolaridade. Em hipótese alguma alguém precisa escolher entre ser pinup e gótica (ou qualquer outro estilo), e se você listar todas as suas referências e interesses, provavelmente irá achar alguma semelhança entre elas e verá que poderá bater tudo no liquidificador. 

Quando criança, tudo o que era colorido, brilhante e "diferente" me enchia os olhos. Meu primeiro Halloween foi aos 2 anos de idade: uma amiga da minha tia foi até minha casa querendo me fantasiar de bruxa, com direito a batom preto e tudo o mais, e meus pais estavam certos de que eu me assustaria quando olhasse no espelho. Acabou que minha reação foi totalmente contrária ao esperado. Eu usei todo o batom azul que veio em um daqueles kits de maquiagem de criança, adorava comprar adesivos para o rosto, glitter e marabus, adorava quando via drag queens na TV, não vivia sem os filmes de princesa da Barbie e tentava reproduzir as roupas que eu via nas animações, apaixonada pelo apelo épico deles. Toda semana sonhava com uma profissão diferente, mas todas voltadas para a arte, e houve uma parte da minha infância em que eu queria muito aprender a tocar guitarra e ser punk rocker. Eu achava que iria me tornar uma música, bailarina, pintora, quadrinista e estilista de sucesso com cabelo colorido que também fazia drag e bicos de modelo - a própria Barbie. 

Se não fosse pelos meus pais e suas ideias preconceituosas, eu provavelmente teria me tornado punk de verdade. No final da minha infância e pré-adolescência, era uma vontade muito grande e fui intimidada porque meus pais faziam questão de me mostrar notícias na TV sobre punks que apanharam de skinheads nazi e vice-versa. Não muito depois, descobri a moda urbana japonesa e tudo mudou pra mim. Queria usar lolita porque a inspiração rococo e vitoriana no estilo me encantaram, mas era muito caro para mim (ainda é, com a diferença de que o estilo está mais popular então o acesso melhorou). Passei anos misturando referências de Harajuku e incorporando elementos de vários estilos de lá no meu dia-a-dia, até que decidi ser pinup aos 17 anos. 

Como podem ver no post sobre o FIQ, Harajuku ainda é muito presente na minha vida, não tenho medo em fazer várias cosias, e voltei a me aventurar no gyaru com foco nos anos 2000, além de que também sou uma fã roxa dos anos 90 e quero aproveitar agora o que eu não tive tempo de curtir (nasci em 98) e não surpreendentemente também adoro os 70, principalmente depois de assistir That '70's Show. Contei toda essa história só para dizer que, analisando meu histórico, quase todos os meus gostos se encaixam na moda de época. Eu vivo por brilhar e exagerar - como a Gwen Stefani na fase do No Doubt, Cyndi Lauper, a era disco, os mods, as burlescas, as dançarinas de charlerston e a Maria Antonieta. Todo mundo tem gostos diversos, mas eles se completam e encaixam de alguma maneira que só você consegue fazer funcionar e é isso que torna cada indivíduo único. Era assim que o Bowie conseguia ter mil faces sem parecer o cara do "Fragmentado". 


Não precisa se encaixar em um único estilo que gosta, você já se encontrou apenas por saber o que te chama a atenção. Misture tudo ou use um a cada dia. Tem dias em que não estou com a menor vontade de usar pinup e vou de 90's kid ou kawaii, outros em que não estou afim nem de olhar pra uma Hello Kitty e capricho no batom vermelho e victory roll. Não pretendo me limitar à nada e a minha única certeza é a de que eu quero sempre me destacar perto do que é considerado "normal".  Não coloque amarras no que deveria te libertar. 

Escute Depeche Mode e MC Loma também. Use rosa nas quarta-feiras e preto dos pés à cabeça na quinta. Seja uma femme fatale ou nada. Experimente, teste, dê uma chance ao que acha que não vai cair bem. Apesas faça o que tiver vontade. Só não seja chato, hahaha! E se alguém tentar confiscar sua carteirinha, faça a Lady Gaga e diga que nasceu assim.  

E isso é tudo, pessoal! Espero que o post seja válido pra reflexão. Quais os seus estilos favoritos e como os incorpora no seu dia-a-dia? Deixem um comentário contando!